O sucesso do primeiro circuito, ocorrido em maio, leva a apresentação para outros estados

 

A partir desta quinta-feira (10/08), o Balé Folclórico do Amazonas (BFA) dá continuidade à turnê nacional com o espetáculo “Dança do Sol”. Desta vez, a companhia leva a apresentação aos estados de Roraima, Amapá, Piauí e Mato Grosso. O BFA é um corpo artístico da Secretaria de Cultura e Economia Criativa, e a iniciativa tem parceria com o projeto Sesc Amazônia das Artes.

Em turnê pelo Brasil, o Balé Folclórico do Amazonas se destaca com o espetáculo “Dança do Sol”

Foto: Marcio James (Secretaria de Cultura e Economia Criativa)

Somente neste ano, o espetáculo já percorreu as cidades de Ji-Paraná (RO), Palmas (TO), São Luís (MA) e Rio Branco (AC). Foi a partir dessa experiência que o bailarino Mackson Barreto, que integra a companhia, constatou o quanto o trabalho do Balé Folclórico do Amazonas é importante para a cultura.

“Foi muito bom e gratificante participar do primeiro circuito, em maio. Sempre fomos muito bem recebidos nos estados por onde passamos, e quando apresentamos o espetáculo, tínhamos um retorno incrível da plateia; o público sempre ficava surpreso e maravilhado com o nosso trabalho”, conta Mackson.

Em turnê pelo Brasil, o Balé Folclórico do Amazonas se destaca com o espetáculo “Dança do Sol”

Foto: Marcio James (Secretaria de Cultura e Economia Criativa)

A assistente de direção do BFA, Magda Carvalho, ressalta o quanto a cultura amazonense é bem avaliada fora do estado. Segundo ela, com a rotina de ensaios, a expectativa é que a segunda turnê seja ainda melhor que a primeira. “A companhia está extremamente preparada. Tivemos ensaios intensos nos últimos dias para que este circuito seja tão bom quanto o primeiro e nos renda frutos e parcerias com outros estados”, destaca.

A dança do sol

O espetáculo foi montado a partir de uma pesquisa histórica de obras do escritor amazonense Mário Ypiranga, que descreveu, na década de 30 do século passado, os costumes e tradições da etnia Arara, localizada no Estado do Pará. A montagem apresenta desde a criação do mundo através da cosmologia indígena até os rituais dos povos originários, como o trabalho feminino, o ritual de iniciação de homens e mulheres, a luta dos guerreiros, finalizando com a Dança do Sol.